quinta-feira, 15 de março de 2012

A nossa liberdade é o que nos prende



Acredito que a liberdade pode ser realmente a única coisa que prende duas pessoas que não têm a mínima intenção de se comprometer. Ficantes, como chamamos hoje. Mas, e aí? Se essas pessoas não têm intenção de se comprometer, quando e como vai ser o fim (daquilo que nem começou)?

Você sai de casa. Coloca um salto alto e veste a roupa que mais combina com seu estado de espírito. Estampa na cara seu melhor sorriso. Sua melhor maquiagem. E vai pra melhor festa da cidade. E, toda festa, as mesmas músicas tocando. As mesmas caras te olhando. Os mesmos papos rolando. A mesma boca te beijando. Os mesmos braços te segurando. O mesmo cidadão te desejando. Mas isso, por enquanto, basta. A noite-sem-dia-seguinte tá valendo pra vocês.

Mas, e aí? Até onde vai? Até onde vocês dois podem ir, brincando de usar corpos na madrugada, sem se machucarem? E, se essa liberdade que vocês têm é tão grande assim, porque estão sempre um com o outro? Por que, toda vez que vocês se encontram, vocês colam um no outro? Cadê a porra da liberdade? E a hora que vocês estiverem na mesma festa e um de vocês se interessar por outra pessoa? Cadê, de novo, a porra da liberdade que vocês têm que faria você dizer “tudo bem”?

Não tem nada de “tudo bem”. Você fica tensa. Seu coração dispara. Sua boca seca. Você deseja sumir. Você deseja que o cidadão suma (da sua vida, claro). Você deseja nunca ter estado ali naquela noite. Você se pergunta porque foi mesmo que essa história começou. E quando era pra ter terminado. Só que você pulou essa parte. E por que foi mesmo que você pulou a parte em que você coloca um ponto final nessa história? Ah, é. Não é tão simples assim. Como se encerra um vínculo que não existe? Por que é tão difícil colocar um ponto final? Será que é porque a porra da liberdade prende vocês?

É assim mesmo que você fica. Irritada. Puta. Falando palavrão. Você se sente no direito de tirar satisfação com o cidadão que não é nada seu. Vocês discutem. Isso mesmo. Você discute com o cidadão que – insisto – não é nada seu. Muita intimidade pra vocês. Então, cadê a PORRA da liberdade que faria você dizer “foda-se” nessa hora? Onde, caramba, estava a liberdade quando o cidadão cismou que viu você dar seu telefone pra outro cara e saiu emburrado? Que pseudo-liberdade é essa que te prende e te deixa tão solta? Onde, diabos, estava a merda da liberdade quando você mais precisou dela???

Você não sabe. Não quer saber. Não tem mais paciência pra ficar se perguntando. Pra ficar enchendo os textos de interrogações. Pra fazer seus leitores engolirem tantos palavrões. Os problemas assumem dimensões maiores do que deveriam ter. Se duas pessoas são livres, elas deveriam ser livres pra fazer o que bem entenderem sem se importarem uma com a outra. E por que não é assim? (Não espere uma resposta no final do texto porque eu também não sei). Por que você se importa tanto se, pra ele, tanto faz? Por que você quer alguém que só te quer quando convém? Por que tem tanta interrogação onde deveria ter um ponto de afirmação? Ou um ponto final. Ou um texto novo. Um texto com menos interrogações e mais exclamações. Uma poesia, quem sabe. 
E, por falar em poesia, como diria Fernanda Mello: 'A nossa liberdade é o que nos prende.'

Um comentário:

  1. "...nós temos um controle parcial por que escolhemos a quem e a quê queremos nos prender.
    (...). Isso só prova que somos 100% livres, ainda que nunca tenhamos 100% de controle.Eu tenho o poder de fazer escolhas." Acalme seu coração, você só não encontrou alguém por quem valha a pena se prender. Quando isso acontecer, as escolhas acontecerão naturalmente e a única liberdade que você ira precisar é a de se prender a essa pessoa.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...